A SOMBRA


Sandra Eliane Radin

A Sombra

‐ Oi, bom dia.
‐ Bom dia
‐ É Carl?
‐ Sim, quem está falando?
‐ Sou eu, Tricia. Queria combinar contigo de nos vermos hoje.
‐ Hoje... Está bem difícil, estou com o dia lotado. Quem sabe tu vens na sexta‐feira, conforme nossa combinação.
‐ Por favor, vou o horário que puderes, mas precisa ser hoje.
‐ Está bem, então te espero às sete.
‐ Obrigada, eu quero muito conversar contigo hoje. Tchau.
‐ Até a noite então.
***
_Oi, entra.
_Oi, estou louca para falar contigo, tenho que te contar o que aconteceu comigo lá na empresa hoje.
_ Que dependência, falou sua sombra, seu eu interno 
_ Calma, para que essa pressa toda, respira fundo. Me parece que estás bastante ansiosa.
‐ Ansiosa? Nem tanto, mas muito brava com o meu chefe e colegas. Acredita, eles me aprontaram lindo mas, desta vez, não vou deixar barato. Estou pensando em falar com o CEO da empresa.
- Claro que estás ansiosa, admita.
_ O que houve?
_ Duvido que vais contar a verdade para teu terapeuta, provocou a Sombra.
_Teve uma reunião de equipe para avaliar a consecução das metas deste ano pela equipe e feedbacks. A gente dava e recebia feedbacks para o gestor e, no mínimo, para um colega. Somos em doze na equipe, contando com o meu gestor. Todos me deram , um pior do que o outro. Todos me detonando.
_Bem feito, tu merece isso e muito mais
_E, para ti ver como é perseguição, somente eu recebi de todos. No mínimo combinaram antes. Só pode. Tudo estava bem orquestrado. E, me incomoda constatar que o meu gestor não impediu que todos falassem. Ele poderia ter mandado eles pararem. Deveria ter me protegido.
‐ E tu credita isto a quê?
‐ Ao quê? Eles todos têm inveja de mim, sou a mais qualificada, tenho liderança e prefiro fazer minhas coisas sozinha. Inventaram essa do trabalho em equipe . Não gosto e não faço. Sempre os mais incapazes querem fazer o trabalho comigo. Claro, sabem que sou competente. Como vou permitir? Trabalhar sozinha para no final todos ganharem aplausos, louros? Negativo, não mesmo. Nem pensar.
‐ Podes me falar como foi o feedback do teu chefe?
‐ Ah, ele só enrolou, ficou no blá,blá,blá e acabou dizendo que concordava com meus colegas . Falou que percebia em mim, dificuldade de relacionamento e, no trabalho em equipe, na maioria das vezes, eu arrumava conflito com alguém e estava sempre no meio de uma confusão.
_ É a tua cara
_Faz sentido para ti o que teu gestor falou?
‐ Não, nem um pouco. Ele não quis ficar mal com a equipe e concordou com eles. Para mim, ele tem medo que eu assuma o lugar dele na equipe.
 ‐ De gestor? O que te leva a pensar isso?
‐ Ora, ora, sou muito mais qualificada e competente que ele. Todo mundo sabe. Tenho MBA em Gestão e um estágio em Harvard de três semana.
‐ Prepotente, arrogante ‐
‐ Não me atrapalha, deixa eu conversar com o Carl ‐ respondeu Tricia
‐ Tu sempre se metendo onde não é chamada, fica na tua, na sombra que é teu lugar. 
‐Quando estiver só vai me chamar, ah se vai ...
‐ Nem pensar, isto nunca.
‐ Um dia vais me chamar e eu vou dar‐te as costas
‐ Tricia... Tricia... onde estás?
‐ Desculpa, Carl, me distrai com algo que não vale a pena contar
‐ Hum?
‐ Vou falar para ele ‐ retrucou a sombra
‐ Chega... chega... ‐ gritou Tricia ‐ Não aguento mais...
‐ Com quem estás gritando ‐ perguntou Carl ‐ Estás a beira de um ataque de nervoso
‐ Sim ‐ respondeu Tricia, já aos prantos
‐ Isso, deixa as lágrimas cairem, não reprima, solta as tuas resistências, tuas máscaras
‐ Eu estou muito mexida. Por mais que eu tente ignorar, meus fantasmas, meus medos estão sempre a me espreitar, esperando um deslize meu para assumirem o comando.
‐ Consegues identificar a origem de teus medos?
‐ Talvez... não tenho certeza, talvez de me mostrar como realmente sou. ‐ E consegues identificar quem é essa Tricia que esta aqui comigo agora?
‐ Mais ou menos. Acho que essa é frágil, insegura com auto‐estima baixa. Tenho medo de não suportar tanta pressão
‐ Hoje destes um passo muito importante
‐ Sei disto mas sei também que este foi apenas o primeiro passo e já me dá um cansaço... desci do salto e me vejo de um outro lugar. Minha sombra tinha razão
‐ O que ela te dizia?
‐ Muitas coisas eu deletei, mas outras ficaram me martelando. Não sei te explicar
_Parabéns Tricia , finalmente tu reconheces que não sabes alguma coisa
‐ Deu Carl, deu. Por hoje basta. Quero ir para casa, me jogar na cama e dormir. Sinto dores em todo meu corpo e um aperto no coração.

voltar

Sandra Eliane Radin

E-mail: radinser@hotmail.com

Clique aqui para seguir esta escritora


Pageviews desde agosto de 2020: 7903

Site desenvolvido pela Editora Metamorfose